segunda-feira, 16 de janeiro de 2012

Jesus - Nossa Fortaleza & Refúgio por Ferreira Jorae

O que fiz, porém, foi por amor de meu nome, para que não fosse profanado diante das nações perante as quais os fiz sair”.
(Ez 20:14)

Jesus: o poder desse nome


                Nesses últimos tempos há uma inquietação no meu ser, uma chama que começa a se inflamar e uma voz que sussurra em meu coração: Onde está a grandeza do meu nome? Diante de tantas tribulações e de tantas desesperanças onde está o povo que se chama pelo nome do Senhor? Onde estam aqueles que carregam o nome de Cristo? Quando o mundo crucificou Jesus, pensou-se que seria o fim, mas na realidade fora só o começo. Aquele pescador que negara seu mestre três vezes, depois da crucificação o defendia a plenos pulmões e pregava boas-novas, e seu fim fora morrer crucificado de cabeça para baixo por não se achar digno de morrer como seu mestre. E aquele fariseu que saia a cavalo para caçar cristãos e depois de se encontrar com o Senhor se transformou e passou a defender o nome a qual perseguia.
                Recebemos a graça de termos sidos escolhidos para fazer parte de um povo que outrora era seguido por uma descendência de sangue e fora passada a uma descendência espiritual, o que temos feito com essa dádiva? Naquele dia levantei-lhes a minha mão, e jurei tirá-los da terra do Egito para uma terra que lhes tinha previsto, a qual mana leite e mel, coroa de todas as terras”. (Ez 20: 6) Será que temos usufruído desta terra ou como os nossos antepassados temos sido infiéis? Mas se rebelaram contra mim e não me quiseram ouvir; ninguém lançava de si as abominações de que se agradavam os seus olhos, nem abandonava os ídolos do Egito”. (Ez 20: 8) Temos sido como os “egípcios” temos as suas mesmas ambições e nos prostramos para aquilo que podemos ver e não ampliamos nossos olhos da fé para crer que tudo já está feito e que só falta ser manifestado, onde está a ambição de ver o nome de Jesus grande?
                Para um povo idólatra fora necessário estatutos e juízos para um recomeço e por eles viver, para que percebam suas falhas e sua ineficiência e buscarem a purificação e santificação do Senhor, mas como nossos antepassados: mas a casa de Israel se rebelaram contra mim no deserto, não andando nos meus estatutos e rejeitando os meus juízos, os quais, cumprindo o homem, viverá por eles; e profanaram grandemente os sábados”. (Ez 20: 13) Temos vivido como pecadores e Deus sabe que somos falhos, mas também ignoramos os sábados, os momentos de parar a carreira e reconhecer nossas falhas e santificarmos, de lembrarmos que Jesus, o último sacrifício, nos lavou de todos os pecados, mas parece que temos esquecido desse nome e do que ele significa.
                O homem parece estar fadado ao fracasso, mas o Senhor sempre busca honrar seu nome, pois se esperasse pelo homem esse nome seria esquecido como se tem, atualmente, a leve impressão que esse nome esteja adormecido. Sabereis que eu o Senhor, quando eu proceder para convosco por amor de meu nome, não segundo os vossos maus caminhos, nem segundo os vossos feitos corruptos, ó casa de Israel, diz o Senhor”. (Ez 20: 44) A simplicidade que precisamos fazer para contemplarmos as obras que o Senhor preparou, não somos capazes de fazer pois somos aptos a querermos fazer cousas grandes as quais não podemos fazer, para termos o nosso nome engrandecido em detrimento do nome que deveríamos ressaltar. O que precisamos fazer é adorar o Senhor como agradecimento por tudo o que tens feito e ainda irá fazer. Nosso erro é corrermos demais, seguindo o que nossos olhos maus visam, e vamos transgredindo, mas não paramos para refletir até para saber se vale a pena continuar. Assim, pois, não depende de quem quer, ou de quem corre, mas de usar Deus a sua misericórdia”. (Rm 9: 16)
                Paulo deixou várias considerações, que contextualiza toda essa temática da importância dos sábados e de fazer o nome de Jesus engrandecido, entre elas se têm: Regozijaivos sempre[trazer a memória aquilo que gera esperança para que possa brotar um sorriso verdadeiro em nossos lábios]. Orai sem cessar[não é ficar de olhos fechados, mas reconhecer em todos os momentos as limitações e deixar o Senhor no controle], em tudo daí graças, porque é dá vontade de Deus em Cristo Jesus para convosco [entregar a plenos pulmões as bênçãos que temos recebido e as provações que no final nos fará crescer], não apagueis o Espírito [entre várias vantagens de acender a chama do Espírito, ressaltar a comunhão, pois o Espírito tem uma forte atração], não desprezeis as profecias [tanto a que ouvimos quanto a que devemos proferir, isso inclui palavras de benção], julgai todas as cousas, retendo o que é bom [e isso a começar pelo que vai sair de nossa boca que é nosso principal inimigo]; abstende-vos de toda forma de mal [nos santificarmos, e para isso devemos parar e sondar todo o possível mal que esteja arraigado em nós] ”. Essas são atitudes simples mas que poderá construir um verdadeiro impacto, onde o povo do Senhor será reconhecido e o nome do Senhor Jesus será engrandecido, como ele deve ser.Assim brilhe também a vossa luz diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras e glorifiquem a vosso Pai que está nos céus”. (Mt 5: 16)
ferreirajorae@gmail.com
Gostou? Entra em contato...